Se os seus treinos estão precisando de um avanço na performance, nada melhor do que contar com o auxílio da tecnologia. Para diminuir o tempo a cada quilômetro de corrida, é preciso estabelecer metas e sempre ficar de olho nos rendimentos com o passar dos minutos.

Nessa hora, um bom relógio de corrida pode fazer toda a diferença para dar aquele gás na sua motivação. Afinal, existem equipamentos bem completos, que trazem informações sobre as distâncias percorridas, velocidade média, cadência das passadas, monitor de frequência cardíaca, GPS e até software de treinamento.

Mas, qual modelo escolher diante de tantas opções? Para ajudá-lo nesta procura, selecionamos cinco dicas que poderão fazer a diferença na hora da compra. Afinal, é importante ficar atento ao seu principal objetivo: a evolução na corrida.

1. Veja se o relógio conta com GPS

A melhora na performance nos treinamentos de corrida exige distâncias maiores e mais velocidade. Para isso, um relógio com GPS é imprescindível, já que o equipamento ajuda muito no ritmo das passadas.

É possível fazer comparações e traçar metas para os dias seguintes, sempre aumentando o rendimento. Geralmente, os relógios que contam com GPS são das marcas Polar, Adidas, Garmin e Tomtom. Entretanto, cada fabricante tem designs diferenciados, de acordo com os gostos dos corredores.

2. Frequencímetro é fundamental

Sendo um aparelho que ajuda na observação da precisão do exercício, assim como no impacto que acontece no organismo, o frequencímetro contribui para trazer informações relevantes, como os batimentos cardíacos, por meio de uma cinta que pode ser colocada na região do peito.

O equipamento é muito recomendado para quem tem dificuldades de perceber o nível de esforço e pode auxiliar na obtenção de novas técnicas para aumentar o desempenho.

3. Observe os recursos tecnológicos

Além do GPS e frequencímetro, os relógios de corrida oferecem uma extensa opções de recursos tecnológicos para ajudar na evolução dos seus treinamentos. Ao escolher um modelo, veja se ele conta com dispositivos que registram a distância percorrida, o tempo e o ritmo.

Há relógios que contam, ainda, com altímetro barométrico para verificar a elevação dos terrenos percorridos. Outros avaliam o consumo calórico e alguns têm tecnologias avançadas de softwares que podem fazer download de programas de resistência pelo site da marca  ou de treinamentos diários montados de acordo com suas especificações.

Outro ponto importante é analisar se o modelo é à prova d’água, pois muita gente corre na chuva e isso pode ser um fator de risco caso o relógio não tenha tal proteção.

4. Veja se o manuseio é fácil

De nada adiantará inúmeros recursos tecnológicos em um relógio de corrida se você tiver dificuldades para manuseá-lo.

No momento da compra, peça ao vendedor para deixar você mexer nos programas e analise se são simples. Caso haja muitas complicações, opte por um modelo que tenha um funcionamento mais adequado.

Afinal, o entendimento é fundamental para você aproveitar todos os recursos disponíveis no equipamento.

5. Analise os preços

Assim como que há opções variadas, os preços também se diferem muito de modelo para modelo. Por isso, planejar o quanto você poderá gastar em um relógio de corrida é fundamental na hora de definir a marca que será comprada.

Como os preços variam de R$ 400 a R$ 2.000, chegue na loja ou no site já estabelecendo a média de valor, o que ajudará em uma seleção prévia. Entretanto, lembre-se sempre de incluir o GPS, frequencímetro, além do registro de distância, tempo e ritmo, essenciais na busca por melhores resultados em seus treinamentos!

Usar relógio com recursos tecnológicos de corrida já te ajudou em seus treinos? Deixe aqui o seu comentário e ajude mais gente a melhorar o desempenho!