Assim como o povo brasileiro, que sempre batalha insistentemente, muitos atletas já marcaram história em momentos jamais imaginados pela crítica esportiva.

Emerson Iser Bem e Ronaldo da Costa são exemplos de superação na corrida e hoje inspiram inúmeros novos corredores a sempre ir em frente, independentemente de quais sejam seus objetivos.

São histórias que também servem de estímulo para você vencer os desafios ao longo das suas corridas, sejam elas curtas, médias ou de longas distâncias.

Quer conhecer dois marcos que ficaram na história do atletismo mundial? Então corra os olhos nas próximas palavras e desfrute do nosso post!

Emerson Iser Bem: rei da São Silvestre

Começar um ano com uma boa notícia é sempre motivo de comemoração. Imagine como ficaram Emerson Iser Bem e os apaixonados pela São Silvestre naquele dia 31 de dezembro de 1997. Era a 73ª edição da corrida mais famosa do Brasil, acompanhada pelos holofotes do esporte mundial.

No entanto, a notícia jamais seria capaz de transmitir profundamente a trajetória de superação, dores, treinamentos exaustivos e vontade de vencer os próprios limites do corredor, então desconhecido pela mídia nacional.

Antes da largada, todos os repórteres e comentaristas apostavam no tricampeonato do queniano Paul Tergat, com sua velocidade de deixar treinadores e competidores com o queixo caído.

No entanto, foi o paranaense Emerson, filho de um eletricista e de uma confeiteira, de apenas 24 anos, que chegaria no local mais desejado do pódio.

Com 10 anos de treinamentos em corridas de rua, Iser Bem focava naquele ano no GP de Cross da Europa, onde venceu a etapa de Portugal, em 1996.

Sob o frio da Serra da Mantiqueira, treinando na estância climática de Campos do Jordão/SP, obteve um rendimento para chegar bem preparado na São Silvestre.

Eram dias marcados por treinamentos de 11 a 12 sessões semanais, atingindo de 160 a 180 Km, sob supervisão do técnico Ricardo D’Ângelo.

Ao chegar em São Paulo, o corredor retirou a última gota de suor do corpo e buscou forças inimagináveis para cravar 44 minutos e 40 segundos, mostrando a todos que é possível, sim, contrariar as estatísticas.

Ronaldo da Costa: recorde mundial em Berlim

Além de Emerson, o mineiro Ronaldo da Costa também fez história por meio da superação na corrida de rua. Como?

Após ficar quatro anos sem resultados significativos na modalidade, o corredor conseguiu não só vencer como também quebrar o recorde mundial da Maratona de Berlim, no dia 20 de setembro de 1998.

Costa cruzou a linha de chegada marcando 2h06m05s, após percorrer 42 Km, ficando 45 segundos à frente da antiga marca do etíope Belayneh Dinsamo. Foi ainda a primeira vez em que os atletas correram uma maratona com média abaixo de 3 minutos por Km.

Depois do feito, Ronaldo da Costa passou a ser reconhecido e até conduziu a tocha olímpica no mesmo ano, quando o objeto símbolo dos Jogos passou por Brotas, no interior de Minas Gerais, a 40 km da sua terra natal.

Ou seja, as histórias de Emerson e Ronaldo são estímulos para que você lute por suas metas, melhorando a performance a cada dia!

E aí,essas histórias de superação na corrida inspiraram você? Que tal contar com uma assessoria esportiva especializada? Entre em contato com a gente e conheça nossos planos!