Você pode ser um corredor experiente, iniciante, mas tenha uma certeza, pois algum dia isso irá acontecer: você terá uma corrida ruim. Um treino com desempenho abaixo do que estava esperando. Desapontamento, frustação, raiva… são sentimentos bem comuns nesse momento. Principalmente quando realizamos todas as tarefas (descanso, alimentação) sugeridas para uma melhor performance.

Quando um plano de corrida é bem executado, raramente olhamos para trás e perguntamos “Como poderia ter sido ainda melhor?”. Em vez disso, avançamos com orgulho e nos perguntamos: “O que preciso fazer para replicar esse sentimento em corridas futuras”?

Mas depois de uma série de bons resultados, uma corrida ruim pode trazer um grande desapontamento. E junto com ela a pergunta: Como fazer para superar esse momento e continuar firme nos seus treinos?

Por isso, elaboramos quatro perguntas que ajudará você a avançar com uma compreensão clara de por que isso aconteceu e, mais importante, como você pode aprender e evoluir com essa experiência.

 

O que deu certo na sua corrida?

No calor do momento, é fácil se deixar pensar: “Nada deu certo; foi uma porcaria completa”. Porém, não é bem assim que as coisas acontecem. Focar no que deu certo é um caminho muito importante para que sua visão seja mais racional, mediante o desapontamento da corrida ruim.

Após ver o lado positivo, e ter tempo para pensar e refletir, pergunte-se: Você seguiu uma alimentação adequada? Você seguiu o ritmo estabelecido pelo seu treinador? Você fez algo diferente do que está acostumado? Treinou em horários diferentes? Todas são perguntas importantes a serem feitas.

Em outras palavras, comece identificando o que poderia (e principalmente poderá) ajustar na sua sessão. Se não entender o que aconteceu durante uma corrida ruim, dificilmente conseguirá fazer o ajuste correto. Faça anotações de como você se sentiu, e o que pode replicar para futuras corridas.

 

O que não estava certo em sua corrida?

Nós estabelecemos o que deu certo, então vamos ver o que poderia ter sido melhorado. Evite declarações genéricas como “Tudo” ou mesmo: “Todo o meu plano de nutrição / ritmo / treinamento de corrida estava errado”.

Procure avaliar de forma mais racional o momento da queda de desempenho. Como você se sentiu quando as coisas começaram a piorar? Quais ações precipitaram esses sentimentos? Identificar esses sentimentos – até mesmo as pequenas pontadas ou resmungos – pode fornecer informações para melhorar seu plano de treinamento na próxima vez. Por exemplo, você bebeu água como deveria ou apenas quando teve sede? O clima está diferente do qual fez toda sua preparação. 

 

Qual é o melhor cenário para evitar a corrida ruim?

Como você imaginou isso acontecendo? Como e quando alguns problemas / erros / infortúnios o afastaram de seu plano de corrida ideal?

Você perdeu sua garrafa de água no km 18 de uma maratona? Se você corre com música, seu fone parou de funcionar? Você não se sentiu confiante na subida em que planejava passar tranquilo? Defina onde você divergiu do seu estado ideal, para que você possa vê-lo no futuro.

 

Que passos você pode dar para melhorar?

Aqui é onde você pode seguir em frente e definir suas intenções futuras. Essa parte é ótima para discutir com seu treinador, amigos e colegas atletas.

Você precisa beber mais durante corridas quentes? Você precisa comer muito no início de uma corrida longa? Use essas perguntas para definir suas intenções e ações: “Eu vou comer de forma mais equilibrada antes de correr, pois assim meu rendimento irá evoluir muito”.

E não podemos esquecer que há momentos em que uma corrida vai mal por causa de condições além do seu controle, como uma tempestade que se desenrola durante uma corrida ou uma queda que o impede de terminar ou o desconcentra. Mas, salvo os desastres imprevistos, o uso dessas perguntas para analisar a situação pode não responder todas as perguntas, mas irá ajudá-lo a seguir em frente.

E você, gostou da matéria? Confira essas e outras dicas em nosso blog.