Correr em esteira: quais erros que todo mundo comete?

correr em esteira da melhor forma
4 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Opção de muitos corredores que buscam praticidade, correr em esteira pode ser mais difícil do que parece. Muitos erros acontecem por falta de conhecimento, ou pura distração. Veja agora como evitar esses problemas.

Alternativa para dias de chuva, assistir TV enquanto sua a camisa treinando, ou uma saída para quem tem pouco tempo e desejar otimizar sua rotina, a esteira é uma das opções mais usadas para praticar atividade física. Em específico a caminhada e a corrida.

Mas será que as pessoas treinam na esteira de forma correta? Quais erros que todo mundo comete? É o que vamos explicar a partir de agora!

Quando falamos da caminhada em comparação à corrida, as mudanças são muitos pequenas. Já quando o tema é correr em esteira x rua, várias diferenças podem acontecer e impactar não apenas seu rendimento, bem como favorecer um cenário com maior risco de lesões.

Por isso, concentraremos o tema apenas no treinamento de corrida, destacando um a um os principais erros que todo mundo comete em algum momento, o que pode acarretar, e como evitá-los.

Correr em esteira “relaxando” o corpo

Quando se corre na esteira, é muito comum acontecer um relaxamento natural do corpo. Afinal, não podemos esquecer que não há um deslocamento natural do corpo. Na esteira, o corredor se ajusta à velocidade da esteira, não precisando aplicar toda força necessária para gerar essa condição de ritmo, como acontece na rua.

Tudo isso faz com que o corredor consiga se manter a 10km/h, mesmo sem estar nessa velocidade. Dessa forma, é natural que, em certos momentos de cansaço, ele mude um pouco o padrão de movimento, deixando o corpo mais relaxado. Porém, no mal sentido. É o que chamamos de “correr sentado”. O tronco, principalmente o core (abdômen e lombar), são menos ativados, deixando a grande parte do impacto nos membros inferiores, aumentando o risco de lesões.

Ao correr em esteira, essa sensação de corrida sentada pode até dar a impressão de um menor desgaste. Afinal, menos músculos estão ativados. E isso de fato acontece. Mas a verdade é que como consequência você:

  • Reduz a capacidade de ser mais rápido;
  • Usa menos músculos como glúteos e posteriores de perna, que são extremamente importantes para o impulso;
  • Cansará com mais facilidade ao correr na rua, já que esse padrão não consegue produzir a mesma velocidade;

Correr segurando na base lateral ou frontal

Ainda falando nas motivações relacionadas à busca por reduzir o cansaço, muitos corredores podem, em algum momento, correr em esteira segurando nas laterais ou no painel.

O maior prejuízo com essa ação é que ela não pode ser reproduzida na rua, o que causa a falsa impressão ao corredor que ele é capaz de correr mais rápido do que realmente é.

A principal função das bases laterais nas esteiras é a segurança. Caso o corredor tropece, ou mesmo passe mal, ele pode se segurar e evitar um dano maior. Portanto, elas devem ser usadas apenas para finalidade, com uma exceção: os treinos intervalados.

Como nesse tipo de treino a variação entre a velocidade máxima e a recuperação é muito alta, é recomendado que, caso o corredor não se sinta seguro, apoie as mãos nas bases laterais por alguns instantes, para fazer a transição com mais segurança.

Correr em esteira pode induzir a uma postura errada

Um dos erros mais comuns cometidos na esteira  é correr com o corpo muito ereto. Não podemos esquecer que a corrida é para frente. Logo, uma inclinação do corpo é necessária para que haja o deslocamento. Essa é uma condição fundamental… na rua.

Como na esteira não há o deslocamento, a necessidade dessa condição é menos percebida. Além disso, o painel na parte frontal também dificulta essa inclinação, fazendo com que mesmo corredores com boa técnica acabem, em algum momento, correndo com o corpo mais na vertical. Isso gera um impulso maior para cima e não pra frente. Transferindo essa técnica para a rua, como consequência haverá menos deslocamento, bem como perda de velocidade.

Após todas essas observações, quer dizer que correr em esteira é ruim? De forma alguma. O fundamental é que haja uma preocupação redobrada, e procure sempre que possível alternar com treinos na rua, evitando desenvolver certos vícios.

E você? Já notou essas diferenças ao correr em esteira quando comparado à rua? Tem muita diferença de desempenho? Compartilhe com a gente, e continue acompanhando as matérias do universo do corredor em nosso blog!

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário