Antes de qualquer menção a corrida, é fundamental entender que a depressão é um problema muito sério, silencioso, e afeta mais pessoas do que se imagina. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o Brasil tem mais de 12 milhões de pessoas com esse problema. Além disso, temos aproximadamente 20 milhões de pessoas que sofrem de ansiedade, outro comportamento que pode ser a porta de entrada para a depressão.

Todos nós, corredores ou não, estamos sujeitos a altos e baixos em nosso cotidiano: perda de emprego, problemas no relacionamento com amigos, parceiros, família, dificuldades no trabalho, dentre outros. Porém, estar muito atento ao sinais de baixa, que podem sinalizar um comportamento depressivo e não apenas uma fase ruim, é muito importante nesse processo.

Também deve-se entender que fatores que podem desencadear uma depressão estão extremamente ligados a questões psicológicas, mas também químicos e hormonais. Ou seja, a solução para estabilizar a depressão é muito mais do que uma palavra de conforto, motivação ou sugestão para que lute contra esse problema.  

Nesse cenário, a corrida combate a depressão e pode ser uma divisora de águas nesse tratamento.

 

Alguns sintomas da depressão

  • Visão negativa sobre o mundo, ou cotidiano;
  • Perda de vontade e energia para tarefas simples ( trabalhar, cuidar da casa, estudar, sair com amigos);
  • Sentimentos de desamparo e desesperança;
  • Mudança nos padrões de sono – mais ou menos;
  • Raiva ou irritabilidade;
  • Comportamento emotivo aumenta (costuma chorar mais que o habitual);
  • Alteração no apetite ou perda / ganho de peso;
  • Isolamento;

 

Como a corrida combate a depressão?

Primeiro, é importante deixar muito claro: a corrida não pode substituir uma ajuda profissional. Mas ela pode ser uma grande aliada no combate

Isso acontece porque, ao correr, substâncias são liberadas em nosso cérebro, dentre as principais:

  • Endorfina:  Você já teve aquela sensação de prazer e bem estar após um treino? A endorfina é uma das responsáveis por isso. É um hormônio que aumenta a disposição física e mental, além de ter efeito analgésico e imunológico; 
  • Dopamina:  Uma das principais substâncias responsáveis pelo controle da ansiedade. É um neurotransmissor que age como um tranquilizante natural, ajudando no foco, concentração, e diminuindo a ansiedade. Baixos níveis podem levar à apatia, insônia, perda de libido, dentre outros sintomas desencadeadores da depressão;
  • Serotonina:  Com ação similar a dopamina e endorfina, promove sensação de euforia, bem estar e plenitude. Contribui sensivelmente para o combate a insônia, um dos sintomas da depressão;
  • Adrenalina:  Promove uma sensação de euforia e força em nosso corpo. Isso cria um cenário de maior energia e disposição durante a atividade;

 

Além disso, praticar a corrida, ou outra atividade física, aumenta a autoestima, o convívio social e a busca por objetivos. Tudo isso irá ajudar no controle da depressão.

Tem algum amigo com sintomas similares aos citados? Procure motivá-lo a treinar, levando a um grupo de corrida, academia, ou outras opções que envolvam atividade física e contato com pessoas novas.

E no combate a esse mal, um problema pode atrapalhar tanto o depressivo quanto aquele que quer ajudar: a vergonha. Falar do tema,  de maneira natural e consciente, é um dos caminhos mais importantes para tratar (ou ajudar) quem tem o problema.